home / notícias / Diversidade é solução das organizações para agregar valor humano

Diversidade é solução das organizações para agregar valor humano

Apólice - 14 de Fevereiro de 2020
Os debates a respeito do multiculturalismo estão mais presentes entre a população e já alcançam o mercado de trabalho. Os jovens se posicionam em prol do respeito ao próximo, fazendo com que a diversidade nas organizações seja um tema em alta.

O movimento de maior diversidade dentro das empresas visa agrupar, em um quadro de colaboradores, pessoas que sofrem algum tipo de rejeição em razão da sua classe social, gênero, raça, deficiência, religião e outras questões que acabam tornando-as vítimas do preconceito e da intolerância.

Contudo, mesmo com o setor segurador sendo um mercado no qual grande parte dos seus representantes são homens, algumas companhias observam não somente o retorno financeiro que a diversidade pode proporcionar, mas a oportunidade de passar a enxergar o mundo com um viés consciente para alguns grupos da nossa sociedade.

Entidades como o IDIS (Instituto pela Diversidade e Inclusão no Mercado de Seguros) e AMMS (Associação das Mulheres do Mercado de Seguros) desenvolvem campanhas para conscientizar sobre a necessidade de uma maior pluralidade nas organizações do setor.

Uma companhia que visa seguir esse movimento é a AIG. A seguradora apareceu na lista da Diversity Inc como uma das 50 melhores empresas em práticas de diversidade e inclusão, e além de aguardar um retorno financeiro, a organização visa agregar valor humano a seus processos.

“Essa discussão tem impacto direto nos negócios, desde criar um ambiente mais acolhedor, aberto e transparente aos funcionários, promovendo a atração e retenção de talentos, até estimular ideias e inovação que podem gerar novos produtos e serviços”, afirma Nélia Soares, diretora de RH da empresa para o Brasil e América Latina.

No Brasil, a AIG Brasil possui três grupos de diversidade: Women@Work (WOW) Mulheres e Aliados, Diversitas LGBT e Aliados e DÆRC Diversidade Étnico-Racial Consciente. Com o apoio ativo da liderança e do time de Recursos Humanos, esses grupos independentes, mas alinhados com a estratégia e valores da companhia, são responsáveis por diferentes iniciativas de discussão e conscientização sobre equidade de gênero, desenvolvimento profissional, conquistas e desafios da comunidade LGBTQ+; de pessoas com deficiência física e mental; e da população negra.

Indo pelo mesmo caminho, a Aon assinou para todos os países da América Latina a carta de Princípios de Empoderamento das Mulheres (WEP’s), com o intuito de reforçar e intensificar o comprometimento com a agenda e as diretrizes da ONU, além de aprofundar as ações com relação à liderança feminina.

Além disso, a empresa promove internamente fóruns de discussão, como o festival Dive In, no qual colaboradores e executivos são convidados para debaterem sobre o desenvolvimento de culturas inclusivas no mercado segurador. Em 2019, o evento foi transmitido simultaneamente para 33 países e 67 cidades.

Mesmo caminhando a passos curtos para a diversidade, o mercado segurador se mostra resistente em relação a algumas mudanças. As apólices de seguro, por exemplo, ainda não possuem o “nome social” como opção nos documentos, medida para a qual é necessária a aprovação da Susep.

“Acredito que a empresa é uma extensão da sociedade e, por isso, precisa refletir esse universo. Entendo que, além de gerar um ambiente mais contributivo e rico em experiências, estamos influenciando favoravelmente as novas gerações”, ressalta Adriana Zanni, VP de Recursos Humanos para a América Latina da Aon.